Demonstra logo, porra!

Eu sei que você não me pediu um conselho. Mas leve como um ‘toque’ de uma pessoa que gostaria de ter ouvido isso no passado: Demonstra logo, porra! É difícil, né?! Se você for do tipo durona como eu, Deus, é quase uma missão impossível até pro Tom Cruise. Mas o ‘quase’ não deixa, é o ‘quase’ que faz isso ser totalmente possível.

Eu te entendo perfeitamente. A vida vai passando, as decepções aumentando e, de repente, a gente não percebe que está se tornando uma pessoa tão diferente do que era e fica mais fechada, mais fria, mais desconfiada, mais chata. Não deixe, por favor! Coloque todo o calor que você esconde por trás desses olhos bonitos e derreta um pouco esse iceberg que tomou o seu coração.

Sempre ouvi que a expectativa é o primeiro passo pra decepção. E concordei com isso. Concordei tanto que tentava ao máximo não ter mais expectativas em relação as pessoas que eu me relacionava. Desconfiava de tudo e todos, não entrava nas coisas de fato, não acreditava nas declarações, nas boas intenções, nos sentimentos recíprocos, me forçava a não gostar, a não falar, a não querer, a não sonhar com um futuro em comum, achava que a qualquer momento tudo iria desaparecer e que o melhor era ficar na minha e esperar. Comendo pelas beiradas, eu ficava sem o recheio e tentando não me machucar, me impossibilitei de aproveitar coisas maravilhosas ao máximo. Me fechava num mundo tão seguro que não permitia que vissem que eu estava a fim, que eu estava interessada, que eu estava ali. Não. Eu nunca estive mesmo ali. 

E o que eu ganhei com isso? Nada. Não espantei as pessoas que deveriam ter ido embora rápido, elas continuaram ali porque achavam que eu não estava ligando pra merdas que elas faziam, deixei elas ficarem muito mais tempo que mereciam, enquanto muitas que queriam verdadeiramente ficar ao meu lado, eu espantei uma a uma com a minha total indiferença forçada, com minha máscara de nariz empinado, com a minha falta de reciprocidade proposital. Mal sabiam que aqui dentro batia um coração acelerado e envolvido. Era só uma maneira de me proteger. Percebi que eu tinha colocado um uniforme de futebol americano, mas pra mergulhar. Teoricamente protegida, eu continuava a me machucar porque a ocasião era outra. Me afoguei.

Eu não sou assim. Você não é assim. Nós não somos máquinas. Por mais racionais que possamos ser, somos seres humanos. Temos sentimentos, precisamos de comida, de afeto, de carinho, nós sangramos, ficamos doentes e, em um final super breve, morremos. Então, dane-se. Se o mundo lá fora escolheu essa superficialidade toda, faça o caminho contrário, seja diferente. A partir de hoje, decidi, me permito dizer o que penso, me permito mostrar o que sinto, me permito ser ridícula, me permito viver as coisas com sinceridade e por inteiro. Se estou com você é porque gosto de você, se você não gosta, obrigada, tchau, próximo.

Não vou ser mais uma pessoa que usa outra, não vou ser mais uma a enganar, a mentir, a iludir pra alimentar meu ego. Isso não é motivo pra se ter orgulho e só tem desculpa quando se tem menos de duas décadas de vida. Seja honesta/o com você mesmo/a porque só assim poderá cobrar honestidade do mundo. Se você não diz o que quer como a outra pessoa pode saber se está a fim ou se quer pular fora? Não perca quem te quer por insistir em mostrar que você não quer nada e não deixe quem não te quer tomar o seu tempo por pensar que vocês dois não querem nada juntos.

É por isso que hoje eu te falo com toda certeza. Tenha calma, sim. Olhe as atitudes, sim. Não se deixa levar por palavras, idem. Não dê mais do que lhe oferecem, também. Desconfie até a página 2, igualmente. Mas permita-se se entregar. Viva o que vier de maneira plena, ligue o ‘foda-se’, confesse que está gostando, que espera mais de alguém, que está com saudades, que quer de volta, que tem medo, que está triste, que errou, que mentiu, que se arrependeu… Posso te dizer que a certeza do ‘não’ é muito melhor que a dúvida porque ela te possibilita seguir em frente sem que haja coisas mal resolvidas no passado. A dúvida te mata lentamente, a certeza, no máximo, te machuca muito de uma só vez e te faz ver o quanto você é forte ao ver que passou por algo e continuou inteiro/a.

Vai lá, diz pra ele/a tudo que você quer dizer faz tempo, tira esse peso das costas, se por acaso não houver um retorno positivo, se não existir a vontade de voar juntos, beleza, mas que você fique sabendo já porque sem esse fardo que carrega chegará muito mais rápido e menos cansado, leve nada mais te impedirá de buscar sua felicidade em outro lugar e dividi-la com outra pessoa. Não perde seu tempo, não.

Erramos, perdemos, vencemos, superamos, nos apaixonamos, tomamos no cu, fazemos alguém sofrer, nos arrependemos. É difícil? É. Dói? Dói. Mas passa. Ah, não culpe o Universo. A vida é como um topo de uma montanha, se você gritar coisas boas, coisas boas gritarão por você de volta. Tá, eu sei que você não grita coisas ruins, mas também não fique quieto/a. Quem não se doa, meu bem, também não recebe. (Jessica Delalana)

* Esclarecimento: A imagem utilizada no post não é de minha autoria. Na presença de qualquer problema relacionado aos direitos autorais, favor entrar em contato.

Comentários

  1. […] Texto Demonstra logo, porra! do blog Ela é reticências… […]